segunda-feira, 3 de março de 2008

Pós Graduação em Acupuntura

Eu voltava para casa hoje no fim da tarde quando um out-door chamou-me a atenção: o anúncio de um curso de pós-graduação lato sensu em acupuntura, oferecido pelo Instituto Brasileiro de Acupuntura (IBRAM). Claro que não resisti e fui ver do que se trata. Está lá: "O Curso de Especialização em Acupuntura Sistêmica com duração de 2 anos e chancelado pelos conselhos de classe e também pós Graduação Lato Sensu. Sendo assim durante o curso o aluno estará apto a diagnosticar, tratar e dinamizar seu tratamento, através de aulas práticas e ambulatório atendendo a população carente.. Contamos ainda com ambulatório extracurricular em entidades."
Não entendi muito bem se é uma Especialização ou pós Graduação Lato Sensu (talvez sejam sinônimos). Não entendi também o que significa dinamizar um tratamento, mas talvez para entender isso eu precisasse assistir as aulas práticas e atender a população carente. O mais peculiar é que o curso é chancelado pelos conselhos de classe. O Brasil é um país estranho onde homeopatia é especialidade médica, mas regulamentar acupuntura... O próprio Instituto responde: Em uma página ornamentada pelo Brasão da República (provavelmente para atestar a seriedade da coisa) estão resoluções de conselhos profissionais (Farmácia, Biomedicina, Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, Fisioterapia, Enfermagem e Psicologia) autorizando seus membros a "exercer a técnica de acupuntura, desde que tenha concluído curso de especialização em universidade ou entidade de acupuntura de reconhecimento (sic) idoneidade científica."
[26/02/12 Update: A página do IBRAM mudou. Não tem mais o Brasão da República na página de aspectos legais.] Pareceu-me curioso que conselhos profissionais das mais diversas profissões da área da saúde decidiram paralelamente se autorizar a prática da acupuntura. Na verdade isso é um assunto bastante controverso, como indicam notícias na página do Conselho Federal de Medicina. Decisões judiciais vêm indicando o entendimento de que acupuntura deve ser praticada somente por médicos. Não vou entrar no mérito dessa discussão entre conselhos, mas a impressão que tenho é que em lugar de proteger a saúde da população os conselhos buscam defender suas corporações reservando-se uma fatia (gorda em alguns casos) de um mercado milionário.
Melhor ainda, tramita no senado uma lei que se aprovada autorizará a criação do Conselho Federal de Acupuntura [26/02/12 Update: Arquivada em 07/01/2011], que será composto por "diplomados em acupuntura nos estabelecimentos de ensino superior oficiais ou reconhecidos". Se por um lado isso talvez resolva a polêmica entre os nove conselhos, por outro abre a brecha para a criação de cursos de graduação em acupuntura, ou seja, formar profissionais de nível superior para somente aplicar terapias que não conseguem resultados melhores que um placebo. Quem duvida pode pesquisar os artigos da Cochrane Collaboration, o ambicioso projeto internacional que se propõe a reunir todo o conhecimento médico de qualidade do mundo (eu qualifiquei só como ambicioso!). Todos os que referem-se a acupuntura concluem que "The current evidence does not support acupuncture as a treatment for ..., As evidências atuais não recomendam a acupuntura como tratamento para ...." ou expressão equivalente.
No curso do IBRAM constam 120 horas aula de Metodologia Científica. Espero que nessa disciplina seja ensinado o que significa um teste duplo cego, o que é o efeito placebo, como um mecanismo de ação precisa ser compatível com o conhecimento que temos de outras áreas, etc.
Se isso não ocorrer é possível que os alunos voltem para complementar sua formação com Acupuntura Sistêmica Avançada, Acupuntura Auricular, Acupuntura Auricular Avançada, Anestesia e Analgesia pela Acupuntura. Se ainda assim não ficar contente, pode também estudar RPG/RCS, Liberação Miofascial, Massagem Terapêutica, Quiropraxia Estrutural ou Cromoflorais. O que falta em todos esses cursos é a confirmação científica de seus princípios, mecanismos e uma ação terapêutica superior ao efeito placebo.

12 comentários:

hamilton disse...

É de fato existe uma acirrada disputa pela prática de Acupuntura, mas em minha opinião deveriam aplicá-la os que tiverem competência. Enquanto não dava lucro, era a acupuntura uma prática alternativa, para Medicina, agora os médicos querem todos os direitos sobre a terapia, porque agora eles chamam de "terapia".. Talvez deveria o curso ser uma nova graduação, e não uma pós..
Hamilton

sandraamertens disse...

A acupuntura assim como a homeopatia agem como placebo. A maioria , senão a totalidades desses paciente apresentam doenças psicossomáticas em que tb funcionam a religião e a benzedura.Não há nenhuma evidência científica de sua eficácia.As pessoas gostam de serem enganadas e enriquecerem charlatões , infelizmente o CFM reconheceu essa especialidade sem nenuhm critério científico de eficácia. Acho que essa "especialidade" deve ser liberadas para os não médicos, pois é placebão e o risco vai ser errar as agulhas...e a pequenissímas doses de gotinhas ..
Cuidado com florais de Bach que contém álcool, mesmo que esse já seja um outro ramo da picaretagem.Todo o médico que exerce essa "especialidade " sabe que é pseudo-ciência.

ilcelly disse...

Vamos tomar um pouco de cuidado ao exclamar que tanto a acupuntura como a homeopatia agem como placebo. Existem evidências científicas SIM de que a acupuntura tem efeito terapêutico sobre várias condições patológicas. Eu só espero que estes comentários sejam fruto da má informação e não da maldade. Não sou médica, sou fisioterapeuta, e nem porisso dispenso a opinião e exames clínicos minuciosos recomendados pelos médicos antes de atender uma pessoa que procura pela acupuntura. Aos desinformados recomendo leituras como: "acupuntura integrativa", "mecanismos de ação da acupuntura" ou "acupuntura médica". E aos de má fé: "código de ética" ou então "interdisciplinariedade".

Leandro R. Tessler disse...

Cara Ilcelly,
Uma prática recomendada quando se discute ciência é documentar as afirmações com referências. TODOS os trabalhos científicos feitos seguindo uma metodologia cuidadosa têm mostrado que tanto acupuntura quanto homeopatia não apresentam efeito algum acima do placebo. Com acupuntura é mais difícil de mostrar do que com homeopatia, mas procure nas postagens desse blog sobre o assunto e você vai encontrar as referências.
Se você conhece ALGUM trabalho em ALGUM periódico científico conceituado que demonstre ALGUM efeito acima do placebo nas prática mencionadas por favor aponte.
Não vejo sinal algum de má fé, falta de ética ou de recusa à interdisciplinaridade quando alguém demonstra que algum procedimento supostamente eficaz não tem efeito maior que o placebo.

Denise Valentin disse...

Fico confusa...Acupuntura, homeopatia, nao tem resultados maiores que os placebos. Pq, pq, os medicos brigam tanto pela sua exclusividade entao? Só posso concluir que é porque engorda o cofre. Se somente as praticas que requerem comprovação cientifica tem seu valor, entao a briga tem que ser pela utilização da medicina que cura, nao que engorda o cofre.

Roberto M. Calvent disse...

Caro Hamilton e radicais de plantão, só quero lembrar-lhes que o pensamento que norteia a medicina chinesa, não é o mesmo pensamento que norteia a medicina ocidental, logo, pensando como ocidental, vc NUNCA vai compreender e aceitar o pensamento chines. pense nisso.

Roberto M. Calvent disse...

perdão, onde eu disse Hamilton leia-se Leandro.

hamilton disse...

Caro Leandro L.
A Acupuntura tem efeito benéfico sobre animais de pequeno e grande porte, sobre seres humanos que apresentam seu sistema nervoso prejudicado, é o caso de pacientes com AVC ou vítimas de neuropatias, a Acupuntura também é aplicada a recém nascidos. Sendo assim, a explicação do fator psicológico sobre os benefícos da Acupuntura é uma teoria irrelevante visto o estado psicológico aos quais a Acupuntura é aplicada. Existe muito mais conhecimento que o seres humanos desprezam, isso ocorre porque não se está disposto a conhecer, tememos o desconecido. O ser humano não sabe um quarto da metade do nada, e tem muito a aprender, todos nós. Um grande abraço.

hamilton disse...

Caro Leandro,

A aAcupuntura é aplicada também em animais de pequeno e grande porte, em recém nascidos e em paciente com o sistema nervoso prejudicado, como é o caso de pacientes vítimas de AVC. Portanto dado o estado psicológicos destes em questão, a teoria do fator psicológico sobre os benefícios da Acupuntura é irrelevante e não tem sentido.

Anônimo disse...

Existem os que acreditam só nas diretrizes da religião e os que acreditam só na "comprovação científica" e existem os que equilibram e estão sempre abertos ao novo e aceitar novos paradigmas. O certo é que nem todos os acontecimentos e fatos que acontecem e movem o universo podem ser explicados "cientificamente".
Um ocidental (mesmo de reconhecido conhecimento mecânico e cartesiano) que não esteja aberto a novos paradigmas e formas de pensar (até porque não aceitam "outra forma" de pensar) jamais entenderá a abordagem das terapias complementares.
Rogério

LMady disse...

A Acupuntura age através determinações nervosas que são estimuladas e enviam impulsos para o Sistema Nervoso Central que libera substâncias como a dopamina, a serotonina e a betaendorfin. Chamadas de neurotransmissores, essas substâncias agem causando efeitos analgésico, antiinflamatório, antidepressivo e relaxante muscular; e têm efeito cumulativo,se não há cura a Qualidade de Vida melhora e muito.

Gil Cleber disse...

A eficácia da acupuntura vem sendo comprovada amplamente, nada tem a ver com placebo, mas há muita mistificação em torno do assunto. A acupuntura hoje é utilizada em hospitais por profissionais qualificados,o problema porém surge quando começam a fazer "teatro" e "espetáculo", então perde-se a seriedade. Isso se deve, penso eu, ao fato de ser uma prática oriunda do oriente e muito antiga, ensejando o surgimento dos "espertinhos" que criam uma aura de misticismo para atrair os incautos, ávidos por tais conceitos.

Creative Commons License
Os direitos de reprodução de Cultura Científica são regulados por uma Licença Creative Commons.