segunda-feira, 12 de julho de 2010

Isto É um milagre!

O artigo de capa da Isto É de 30 de junho chamou-me a atenção. A revista, que tem seu conteúdo aberto na web, o que é louvável, apresenta-se como "a revista mais combativa do Brasil". Deve ser combate à razão.
O artigo chama-se "Milagres Contemporâneos". Ele trata literalmente de supostos "milagres" que estariam ocorrendo em torno de nós atualmente no Brasil. Ora, todo mundo sabe que milagres são eventos fora do normal que envolvem a intervenção divina. Coerentemente eles estão em geral descritos com detalhes nas escrituras. Mas milagres ocorrendo no início do século 21, no Brasil, sob nossos narizes...
O artigo apresenta casos médicos, alguns triviais e alguns mais especiais como milagres. não apresenta nenhuma informação científica para ajudar o leitor a entender o que realmente ocorre. Ao contrário, numa demonstração de proselitismo católico barato diz que "A maioria das denominações religiosas crê em milagres, mas os católicos são os únicos que usam o rigor científico para conferir o selo apostólico romano de miraculosidade. Não podia ser diferente. Para os cristãos, o primeiro a fazer milagres foi Jesus Cristo, que multiplicou pães, transformou água em vinho e fez um morto voltar à vida, entre outros gestos, segundo contam os evangelistas no Novo Testamento. Para estar à altura de um ato que já foi executado pelo Filho de Deus, dois mil anos depois de sua passagem pela Terra, um caso só é considerado milagre depois do aval de uma comissão mista de teólogos e cientistas do Vaticano." O negrito e texto maior aparecem na versão impressa. Esse parágrafo é uma contradição em si: Se usasse realmente rigor científico, o Vaticano se recusaria a reconhecer TODOS os milagres relatados no artigo e tantos outros mais. Eu fico imaginando quem são os "cientistas" que compõem as comissões mistas com teólogos para validar os milagres. Que experiência científica têm? Costumam publicar seus resultados em periódicos especializados? Conhecem realmente o método científico e o aplicaram aos supostos milagres?
Tomo como exemplo um dos "milagres" relatados, o do jovem João que sofreu um terrível acidente e teve grave traumatismo craniano e parada cardiorrespiratória, com pequenas chances de sobreviver. Mas ele sobreviveu, graças aos competentes cuidados médicos aos quais foi submetido (mesmo com a infraestrutura limitada disponível em Barra Bonita, onde o acidente aconteceu) e à incrível capacidade de recuperação que do corpo humano. O artigo atribui a cura à oração praticada pelos colegas de João. Cita também a opinião do neurologista Odérzio Marcato, de Barra Bonita, que acompanhou João (a revista não esclarece se foi ele quem prestou atendimento primário): "A medicina não explica uma melhora tão rápida e plena". Acho curioso um médico falar em nome da Medicina. Como infelizmente não conheço nenhuma instituição de pesquisa médica em Barra Bonita, busquei mais informações sobre a atuação científica do Dr. Marcato. Não encontrei nenhum artigo científico de sua autoria. No entanto, encontrei alguns artigos que indicam que a opinião do Dr. Marcato deve ser tomada com cautela. O Diário da Região de São José do Rio Preto publicou pelo menos 2 artigos que citam o Dr. Marcatto. Em 2005 ele foi citado no processo de beatificação do Padre Mariano, justamente atribuindo a cura de João a esse religioso espanhol que viveu no Brasil. Só tem um problema: o Padre Mariano faleceu em 1983. O acidente de João aconteceu em 1996. Imagino que esses milagres não dependem da presença física do milagreiro entre nós. Outra citação ao Dr. Marcatto é de 2007, quando o Padre Mariano foi beatificado. Sou absolutamente solidário à família de João e seu sofrimento que felizmente terminou bem. Daí para atribuir sua cura a um milagre há uma enorme distância.
O artigo da Isto É vai mais longe. Afirma que "São muitos os estudos que comprovam que a fé tem efeito positivo sobre a saúde...Está provado, por exemplo, que crer em Deus ou em algo transcendente provoca reações no organismo que reduzem a produção de substâncias como o hormônio cortisol.". Busquei na Medline as palavras "cortisol" e "god". Nenhum dos 3 resultados apóia essa afirmação. Pode piorar: "Para o neurocirurgião Raul Marino Júnior, professor de bioética da Faculdade de Medicina da USP e autor do livro `A Religião do Cérebro` (editora Gente), ter algum tipo de fé é sempre melhor que ser ateu. `A vida fica sem propósito se a pessoa achar que é formada de carbono, cálcio, fósforo e magnésio', afirma." O Currículo Lattes do Prof. Marino Jr. lista a invejável marca de 144 artigos publicados. Nenhum deles trata da questão da fé e de ateísmo. Ao contrário de livros (e blogs), para publicar um artigo é preciso convencer outros cientistas de que suas afirmações fazem sentido. O Prof. Marino Jr. não tentou ou não conseguiu esse feito em sua longa e produtiva carreira. Eu pessoalmente entendo que ser ateu é melhor que ter algum tipo de fé. Mas não tento convencer ninguém disso a partir de argumentos duvidosos.
Um famoso estudo duplo cego aleatorizado sobre o efeito de rezas sobre a saúde de pacientes mostrou claramente que o efeito é ZERO. Sua versão original, que mostrava o efeito contrário, revelou-se uma fraude. Isso foi parar nos tribunais, pois o principal autor da fraude abriu um processo contra um médico que sistematicamente desafiava as falsas conclusões do artigo. A decisão judicial no ano passado favoreceu o médico. A Isto É ignora isso e insiste em atribuir poderes terapêuticos à reza e à fé. Ela termina com mais proselitismo religioso: "Traduzindo, os propósitos divinos seriam insondáveis. Para quem crê, o que importa é que Ele continua estendendo sua mão para a humanidade." É difícil acreditar que isso tenha saído numa das supostamente boas revistas semanais do Brasil.
Se os jornalistas envolvidos tivessem um mínimo de senso crítico e de formação científica talvez teriam buscado informação de verdade para seus leitores.

Eu passei há alguns anos por uma situação terrível. Minha mãe teve câncer de pâncreas, diagnosticado já em um estado avançado. Todos sabíamos que não havia muito a fazer para curá-la. A medicina (olha ela de novo aí) ainda não consegue oferecer uma cura para essa doença. Ela submeteu-se a quimioterapia usando o que havia de mais avançado na época, uma droga chamada gemcitabina, comercializada com o nome Gemzar. Mesmo com o tratamento, a mediana de sobrevivência é de 6 meses. Ela resistiu por um ano, chances de 18% para pacientes tratados com Gemzar. Seria isso um milagre? Claro que não. 18 de cada 100 pacientes tratados com Gemzar sobrevivem um ano. Por sorte ela foi um deles. Sem que ninguém rezasse para isso. Há casos (raros) de pacientes que sobrevivem 5 anos. Eu queria muito que um milagre acontecesse e ela fosse um deles...

13 comentários:

Marcus disse...

Parabéns pelo artigo. Só discordo de um ponto: não é nenhuma surpresa este tipo de matéria na Isto É. Por este tipo de reportagem não compro a Isto É há muitos anso, mas me lembro de algumas capas na banca falando de terapias de vidas passadas, a prova da reencarnação, entre outras bobagens.

Abraço,
Marcus

Gabriela Francischetti Manzo - Gabe F. Manzo disse...

Engraçado, e eu morava na barra em 96... Engraçado que por ser uma cidade de 45 mil habitantes apenas, isso não tivesse ficado conhecido na época.. Vou checar e pesquisar a história... Conheço de mais barra bonita, e acho que foi história mal contada!

Fledermaus disse...

Eu não esperava nada diferente da Isto É. Essa revista perdeu meu respeito há muito tempo, por sua visão idealista e retrógada de alguns temas. Imprensa tem que ser imparcial ou, no mínimo, prover o leitor com informação suficiente para que ele tire suas conclusões.

Leandro R. Tessler disse...

Nota de esclarecimento: Eu não comprei a revista. Estava como material de leitura num vôo internacional...l deveria pelo menos
Concordo com o Fledermaus: Jornalismo responsável deveria pelo menos ouvir alguém que explicasse que não tem nada de especial em nenhum dos fatos relatados. E que a fé pode mover montanhas, mas não cura nada.

ateísta capixaba netto disse...

"A maioria das denominações religiosas crê em milagres, mas os católicos são os únicos que usam o rigor científico para conferir o selo apostólico romano de miraculosidade."
Basta esta "afirmação de fé" para rlegar esta revista para o Lixo.
Dentro em breve sua manchete será: Bruno, o Injustiçado.

Buckaroo Banzai disse...

Quanto a questão dos cientistas, se não me engano já ouvi algo sobre o seu papel. Não seria exataemente o caso de estarem atestando o milagre, mas simplesmente dizem não poder explicar ou comprovar alguma explicação natural para o suposto milagre.

Aberta essa lacuna, então os teólogos ponderam se não seria um milagre contrário a algum dogma ou elemento importante qualquer, e se estiver tudo ok, então o milagre é assumido/"confirmado" como resposta.

daniel disse...

Milagre é uma revista indigente dessas ainda encontrar público leitor.

Parabéns pelo blog, vou lincar isto aqui no meu espaço.

Abs.

Jairo Grossi disse...

Este, infelizmente, meu caro, não se trata de um caso pontual na imprensa brasileira, que há anos tem seu direcionamento voltado para assuntos que garantem venda fácil, num país que menospreza os investimentos em Educação. Notícias sobre paranormalidades, vidências, adivinhações, curas místicas e que tais, podem ser encontradas facilmente em revistas e jornais “sérios” do Brasil. Veja esta (http://bit.ly/b3VQHG) que eu li no caderno de Ciências (?) da Folha de São Paulo, sobre um professor de Física da UnB, que defende aplicação de dinheiro público no estudo de paranormalidades, discos voadores e astrologia. É de cair o queixo.

(Parabéns pelo blog. Cheguei aqui através do Física na veia.)

Rogerio Barletta de Campos disse...

Prezado Leandro, com todo respeito a sua dor,já que voce não acredita em milagres, isto não poderia ocorrer com sua mãe. Por isso Cristo disse: "A tua fé te salvou!". Mas, se milagres não existem, pelo menos acreditar neles nos torna mais sensíveis ao sofrimento humano. Já é algo bom. A propósito, nas comissões do Vaticano há cientistas ateus, seria bom voce conhecer sobre alguns deles.Um abraço amigo.

CR disse...

Todos morremos. Se desígneo de Deus, é contrasenso Ele produzir qualquer milagre para preservar alguma vida. Coisa de charlatão, sem dúvida.

Assis jr disse...

Rapaz, parabéns pelo blog, vc presta um grande serviço ao conhecimento.

Anônimo disse...

Caro Leandro, ontem tive uma aula de seminário a qual você falou e tive a curiosidade de entrar no seu blog! O artigo é realmente interessante e convenhamos: não é de hoje que sabemos que as revistas ditas as mais importantes do Brasil (Veja, Isto É, Época) não são nada mais que um poço de asneiras e politica.
Só tenho algumas coisas para pontuar: você é um cientista muito cuidadoso com suas colocações então sugiro também que o senhor vá a fundo nas pesquisas sobre os médicos, cientistas e pesquisadores do Vaticano. Você irá confirmar que eles não são meros crentes que buscam maquilar ao extraordinário, são profissionais nomeados e respeitados.
E sim. A Igreja Catolica é a única que antes de declarar 'milagre' estuda cuidadosamente caso por caso.
Existe uma coisa chamada intercessão. Isso significa que você pode sim alcançar uma graça, ou um milagre através da intercessao de alguém que já morreu! Por isso você não precisa que a pessoa esteja viva ou te toque para que você seja curado milagrosamente!
E há um fato: milagres existem! Isso é uma coisa independete de crença! Não importa se eu acredito ou não nisso, o fato é de que há casos que por um método cientifico, por uma razão, por uma lógica não conseguimos explicar!
Só te dou um exemplo e se você se interessar por pesquisar melhor: a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe!

Abraços!
Flávia

Leandro R. Tessler disse...

Flávia,
Obrigado por seu comentário.
Minha melhor resposta para suas indagações: não tente buscar suporte científico para sua fé. Por mais respeitados que sejam os profissionais das comissões do Vaticano, eles não vão encontrar evidência científica para nenhum milagre. Milagres violam tudo o que sabemos sobre a natureza.
Se há mesmo o que você chama de intercessão, então ela deveria ser possível de ser percebida.
Note que o método científico não explica nada. Ele só permite testar se suas ideias correspondem ou não aos fatos.
Estive na presença da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe no México há alguns anos. Mesmo sendo impressionante a devoção das pessoas, isso não faz com que ela mude a realidade.
Continue curiosa!
Abraço.

Creative Commons License
Os direitos de reprodução de Cultura Científica são regulados por uma Licença Creative Commons.