domingo, 2 de setembro de 2012

Chimarrão, chá verde e câncer

ResearchBlogging.org
Eu sempre gostei muito de chás. Começando pelo delicioso chimarrão muito apreciado na minha terra. Ao mate são atribuídas diversas propriedades medicinais benéficas, algumas certamente exageradas, como não causar insônia. Minha própria experiência nos tempos de estudante indica o mate como mais eficaz que o café para passar a noite estudando (eu sei, péssimo hábito, mas já faz mais de 30 anos. Além disso, não se trata de um estudo com uma amostra grande e controlado por placebo). Menos conhecido é o lado carcinogênico do chimarrão. Um estudo feito por uma equipe da UFRGS indica que o hábito de tomar mate é um fator de risco para câncer de esôfago (apesar de a metodologia empregada ser questionável), o que é corroborado por estudos epidemiológicos, ainda que um recente artigo de revisão sugira que esses estudos são inconclusivos. Sempre que se discute a associação entre o mate e câncer é argumentado que na verdade o mate não é nocivo, mas sim a alta temperatura (até 70C!) da água usada na infusão. No entanto, pelo menos um estudo indica que são encontradas altas concentrações de substâncias cancerígenas em infusões preparadas tanto com água quente quanto a temperatura ambiente, indicando que a ação cancerígena está associada mesmo à erva.

Foi muito interessante o anúncio feito recentemente por pesquisadores da University of Strathclyde: Composto do chá verde é promissor para combater o câncer.

O último artigo de revisão sobre o assunto publicado em um periódico de prestígio afirma que apesar de existirem mecanismos bem estabelecidos para que o chá verde previna o câncer e resultados promissores em estudos com animais, "atividade preventiva para câncer ainda ainda não foi observada de forma consistente em humanos". Isso foi discutido num post muito mais otimista que esse no RNAm.

No que consiste o resultado de Strathclyde? Não consegui ler o preprint do artigo, que foi submetido à Nanomedicine-UK, que não faz parte dos 33010 periódicos assinados no portal Capes. Apesar disso, pelo resumo é possível entender o que foi estudado: O composto epigallocatechin-3-gallate (EGCG), presente no chá verde, apresenta propriedades anticancerígenas. No entanto, seu potencial é limitado porque ele não consegue atingir tumores após injeção intravenosa. A hipótese do artigo, que foi aparentemente confirmada, é que a eficiência do EGCG aumenta se ele for encapsulado em vesículas contendo transferrina. A conclusão do artigo é muito simples: Encapsulamento de EGCG em vesículas contendo transferrina é uma estratégia terapêutica promissora. Nada a ver com beber chá ou prevenir câncer pelo consumo de chá. Alguém na assessoria de imprensa da universidade deve ter percebido o potencial midiático do chá verde e o fato de pouca gente ler com cuidado os press releases e o estudo virou manchete no mundo todo. No Brasil:

Chá verde pode ser nova arma contra o câncer de pele, com uma foto de uma xícara de chá.
Chá verde pode combater o câncer de pele, mais uma xícara de chá.
Chá verde pode prevenir o câncer, outra xícara de chá.
Cura do câncer de pele pode esta no chá verde, dessa vez são as folhas de chá.

Curioso é que a conclusão do estudo é justamente que o EGCG só funciona bem quando encapsulado, ou seja, não adianta beber litros de chá para prevenir ou para combater o câncer. 

Outros sites foram mais cuidadosos, começando as chamadas com : "Extrato de chá verde...", mas a xícara sempre está lá. Para aproximar isso da realidade do estudo, ilustrei esse post com o instrumento necessário para o consumo do EGCG encapsulado. A realidade às vezes espeta.

O estudo precisa ser reproduzido e mais bem estabelecido, mas pode conter uma dica importante sobre por que é tão difícil reproduzir in vivo (no caso, in humano) os resultados obtidos in vitro.

Ah, e para constar, continuarei tomando meu mate e chá nas suas diversas formas: verde, preto, branco...


Referências:

Sérgio Gabriel Silva de BARROS, Eduardo Sörensen GHISOLFI, Letícia Perondi LUZ, Gabriel Guinsburg BARLEM, Roberta Machado VIDAL, Fernando Herz WOLFF, Valentino Antônio MAGNO, Helenice Pankowski BREYER, Judite DIETZ, Antonio Carlos GRÜBER, Cleber Dario Pinto KRUEL, João Carlos PROLLA (2000). Mate (Chimarrão) é consumido em alta temperatura por população sob risco para o carcinoma epidemóide de esôfago Arquivos de Gastroenterologia, 37 (1), 25-30 DOI: 10.1590/S0004-28032000000100006

Ana Luiza Curi Hallal, Sabina Léa Davidson Gotlieb, Maria do Rosário Dias de Oliveira Latorre (2001). Evolução da mortalidade por neoplasias malignas no Rio Grande do Sul, 1979-1995 Revista Brasileira de Epidemiologia, 4 (3), 161-177 DOI: 10.1590/S1415-790X2001000300004

Dora Loria, Enrique Barrios, Roberto Zanetti (2009). Cancer and yerba mate consumption: a review of possible associations Revista Panamericana de Salud Pública, 25 (6), 530-539 DOI: 10.1590/S1020-49892009000600010

Farin Kamangar, Michele M. Schantz, Christian C. Abnet, Renato B. Fagundes, Sanford M. Dawsey (2008). High Levels of Carcinogenic Polycyclic Aromatic Hydrocarbons in Mate Drinks Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, 17 (5), 1262-1268 DOI: 10.1158/1055-9965.EPI-08-0025

Chung S. Yang, Xin Wang, Gang Lu, Sonia C. Picinich (2009). Cancer prevention by tea: animal studies, molecular mechanisms and human relevance Nature Reviews Cancer, 9 (6), 429-439 DOI: 10.1038/nrc2641

Fanny Lemarié, Chun Wai Chang, David R Blatchford, Rumelo Amor, Greg Norris, Laurence Tetley, Gail McConnell, Christine Dufès (2012). Antitumor activity of the tea polyphenol epigallocatechin-3-gallate encapsulated in targeted vesicles after intravenous administration Nanomedicine-UK DOI: 10.2217/nnm.12.83

8 comentários:

Cláudia Silva disse...

Caro Leandro,

Gostei muito do seu artigo sobre o chimarrão e o chá verde.
Tenho interesse nesse assunto, e tenho buscado artigos na internet porque consegui emagrecer 8 quilos consumindo, em média, 1 litro de chimarrão frio por dia, durante um período de 5 meses.

Depois, passei a diminuir a frequência da ingestão da erva, chegando a ficar algumas semanas sem tomar.

Porém, me preocupa saber que a bebida, mesmo fria, tem propriedades cancerígenas.

Você sabe se existe algum estudo conclusivo a esse respeito?
Será que a temperatura alta potencializa o efeito carcinogênico do mate?
Existe algum caso de câncer de esôfago em alguém que consumisse a bebida fria?

Isso tudo me preocupa porque o chimarrão é a única medida que realmente me tira a ansiedade de comer, e além de algumas mudanças na alimentação e moderados exercícios físicos, consegui manter o peso atingido, sem engordar novamente. Mas, sem a bebida por longo período, volta a necessidade de ingestão de alimentos ricos em açúcar e gordura.

Se você souber de mais algum estudo, agradeço se puder me informar.

Muito obrigada por sua atenção!

Abraço,
Cláudia Vianna - claudiarvds@gmail.com

Anônimo disse...

Quanta bobagem. Duvido que tenha propriedades cancerigenas.

Anônimo disse...

Nossa, quanta bobagem

Leandro R. Tessler disse...

Caros anônimos,
Obrigado pelo comentário.
Não se trata de uma opinião do tipo "acho isso", ou "duvido". Um grupo de pessoas sérias fez um trabalho cuidadoso e encontrou esses resultados. Se vocês conhecem um resultado contraditório ou com conclusões diferentes, por favor mandem a referência e será um prazer analisá-lo.
Em ciência muitas vezes os resultados contradizem nossa opinião ou nossas vontades e convicções.
Abraço!

Anônimo disse...

ISTO É MUITO GRAVE E DEVERIA SER MAIS DIVULGADO.E NAS EMBALAGEM SER COLOCADO CERTO ALERTA.ESTOU INDIGNADA QUE UMA SUBSTÂNCIA QUE CAUSE CÂNCER SEJA VENDIDA ASSIM.

Renato Jacó Weber disse...

Criou-se uma polêmica a cerca do chimarrão há mais de trinta anos atrás quando um médico baiano que tinha um consultório em BENTO GONÇALVES - RS diagnosticou vários pacientes com câncer de garganta e esôfago e deduziu que seria do chimarrão pela tradição dos gaúchos e divulgou o fato na imprensa. Após reclamação dos ervateiros o dito médico resolveu fazer uma pesquisa mais aprimorada e verificou que nenhum dos pacientes tomava chimarrão, mesmo porque não é um hábito comum entre os italianos. Descobriu então os verdadeiros causadores do câncer que são: O vinho e a linguiça que contem dois produtos altamente cancerígenos usados com conservantes, principalmente os coloniais. No vinho é o bi-sulfito e na linguiça ou salame como dizem é o sal nítrico. A combinação dos dois é fatal. Porem esta versão final da descoberta não foi divulgada pela imprensa e ficou o mal entendido.

Anônimo disse...

Fala-se muito sobre o processo de secagem da erva e os agrotóxicos.

A secagem tradicional, que envolve defumação, madeira e fogo, acaba impregnando a erva de substância tóxicas resultantes da queima.

E há ainda um agrotóxico cujo nome me esqueci que também é cancerígeno.

A ervateira Barão de Cotegipe comercializa um chimarrão orgânico secado por processos que não envolvem combustão... passei a tomar.

Oliveira disse...

O mate é um hábito que vêm desde os indígenas. Quando os europeus chegaram à América do Sul, viram que os índios sorviam a infusão de erva-mate em recipientes feitos de porongo. O Padre Sepp, um jesuíta que esteve na região das Missões, escreveu em um de seus relatos sobre "uma erva paraguaia, que não é outra coisa senão as folhas secas de determinada árvore, moídas em pó. Esse pó os índios deitam na água e dele bebem, e isso deve ser extremamente saudável."
Portanto o chimarrão é coisa antiga, nunca ninguém morreu tomando chimarrão e nem vai morrer...
Tomem seus mates tranquilos.

Creative Commons License
Os direitos de reprodução de Cultura Científica são regulados por uma Licença Creative Commons.