segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Darwin e a Catedral

A Catedral da Ciência hoje em dia.
O ano era 1860. A Associação Britânica pelo Progresso da Ciência, que havia sido fundada em 1831 para encorajar o debate público e o entendimento da ciência decidiu realizar seu encontro anual em Oxford. O encontro marcaria a inauguração da nova 'catedral da ciência', o Museu de Oxford (atualmente Museu de História Natural da Universidade de Oxford). Catedral da Ciência é uma denominação mais que adequada para o local, que ainda hoje impressiona quem o visita: um grande galpão de tijolos com um pé direito de uns 10 metros e um telhado de vidro suportado por uma estrutura de ferro vitoriana, no melhor estilo das estações de trem vitorianas e lembrando muito uma catedral com telhado de vidro. Como todos os anos, o encontro reuniria o que havia de importante na ciência da época. Foi lá que ocorreu O Grande Debate.
Um dos livros mais importantes da história, Sobre a Origem das Espécies por meio da Seleção Natural havia sido publicado somente sete meses antes por Charles Darwin. O próprio Darwin não pode comparecer. Sua saúde frágil o levou a uma temporada de curas em Surrey. O Vice-presidente honorário do encontro era o Bispo de Oxford, Samuel Wilberforce. Wilberforce era um inimigo implacável das idéias evolucionistas.

Na quinta-feira 28 de junho o Professor Charles Daubeny apresentou seu artigo "Sobre as causas finais da sexualidade em plantas, com referência particular ao trabalho do Sr. Darwin...". Isso é ciência acontecendo: um pesquisador desenvolve ideias de outro pesquisador no sentido de avançar um modelo coerente da natureza. Richard Owen, contestou fazendo a afirmação exagerada que o cérebro de um gorila era mais diferente de um humano do que dos primatas inferiores. Thomas Henry Huxley, apelidado "o buldog de Darwin" por sua defesa apaixonada das ideias da evolução, era conhecido por usar a similaridade entre os cérebros dos primatas como evidência para a evolução, levantou-se e contradisse Owen educadamente. A discussão continuou nos bastidores até que na noite de sexta-feira um Huxley exausto decidiu ir para casa. Robert Chambers, outro evolucionista, pediu que ele ficasse.

Na manhã de sábado o melhor da ciência britânica se reuniu junto com uma multidão de estudantes de Oxford, clérigos além de damas e cavalheiros locais na sala de leitura da biblioteca no primeiro andar do museu. Estima-se que cerca de 700 pessoas estavam presentes. O encontro foi coordenado pelo Reverendo John Stevens Henslow, professor de botânica de Darwin em Cambridge e amigo de longa data.
A principal apresentação dessa sessão seria por parte do Dr. John W. Draper, da New York University, que leu um artigo longo e chato 'Sobre o desenvolvimento intelectual da Europa, considerado com referência às ideias do Sr. Darwin e outros, que a progressão dos organismos é determinada por uma lei'. Quando ele terminou, Henslow abriu a sessão para um debate. Algumas intervenções foram saudadas por ruidosas vaias por parte dos estudantes. Depois disso ele autorizou somente intervenções que não fossem 'mera difamação'.
Wilberforce foi então convidado a se manifestar. Ele usou os mesmos argumentos empregados na sua resenha anônima do livro de Darwin, que apareceriam um mês depois no Quarterly Review. Sua retórica às vezes lógica, às vezes pobre, sempre rebuscada cativou a audiência e foi saudada por damas acenando seus alvos lenços, estudantes assobiando nas últimas filas, clérigos aplaudindo. No final de sua intervenção, Wilberforce teria feito a famosa provocação a Huxley: "é do lado de sua avó ou de seu avô que o senhor descende de um macaco?", ao que Huxley teria respondido "Se a questão é se eu prefiro ter como avô um macaco do que um homem altamente favorecido pela natureza, possuidor de grandes meios e influência e que ainda assim usa isso com o mero propósito de introduzir o ridículo numa discussão científica tão séria e importante, eu sem hesitar afirmo minha preferência pelo macaco". Há controvérsias sobre se essa troca de insultos realmente aconteceu, mas a história é muito boa. Claro que os dois lados afirmam ter ganho o debate, mas isso é irrelevante. O episódio ilustra bem alguns pontos sobre os quais tenho insistido:

1) Discussão científica só ocorre quando uma proposta aprimora ou quebra velhos paradigmas. No caso, estamos falando de um modelo científico (a Teoria da Evolução e a Seleção Natural) que descreve de forma bastante completa a biodiversidade e os fósseis recém proposto em contraposição com os dogmas cristãos, que propunham a criação do universo e de todas as formas de vida por um ser superior todo-poderoso em 6 dias há pouco menos de 6000 anos. Não faz o menor sentido voltar a um modelo da evolução que exige um ser sobrenatural guiando o processo quando um modelo naturalista é perfeitamente capaz de dar conta dos resultados experimentais.

2) O melhor modelo não é decidido a favor de quem tem a melhor retórica, ou xinga mais, ou é mais aplaudido, ou faz o mimimi de se considerar boicotado pela comunidade científica, ou tem um blog cheio de gracejos e palavras difíceis sem significado nenhum. O melhor modelo é sempre aquele que descreve os fatos da forma mais completa, elegante, simples e coerente com as evidências experimentais. No caso da Teoria da Evolução, esse modelo está sujeito a correções e aprimoramentos, mas ao contrário do que alguns afirmam por aí não passa por crise alguma no seio da comunidade científica.


Oxford, 7/11/2014
Tive o privilégio de visitar o Museu de História Natural de Oxford onde o Grande Debate aconteceu justamente uma semana antes do início do Segundo Primeiro Congresso Brasileiro do Design Inteligente. A sensação que tive ao entrar no prédio foi de estupefação com a grandiosidade do lugar. Senti a vibração da história que aconteceu ali, e do debate que ajudou a estabelecer a unanimidade entre os cientistas sobre a Teoria da Evolução. Muito se aprendeu desde então. A existência do DNA, seu papel como vetor do código genético, sua estrutura e relativa fragilidade frente a mutações. Hoje não é possível conceber alguém estudar seriamente os seres vivos sem entender muito bem o processo evolutivo e a seleção natural. Durante a visita ao museu comparamos o peso de dois ossos aparentemente iguais e homólogos, um deles (de uma ave) muito mais leve que o outro (de um mamífero). A seleção natural tem consequências palpáveis.

É triste constatar que 154 anos depois um grupo de religiosos, entre eles alguns poucos com treinamento em ciência, organizam na minha querida cidade adotiva um encontro no qual vão tentar travestir suas crenças como "ciência" e assim apresentá-las à sociedade. Infelizmente cultura científica não tem sido uma prioridade em políticas públicas no Brasil e muita gente vai achar que o palavreado sofisticado tem algum fundamento científico. Pior, os adeptos do intelligent design vão propor que a educação pública brasileira dê um enorme passo para trás ensinando ideias obsoletas há tanto tempo, compatíveis com uma peculiar leitura dos livros sagrados de uma certa vertente de uma certa religião monoteísta popular no mundo ocidental. Curiosamente a referência ao plano de ocupar escolas e universidades públicas foi retirado da página do evento.

Nota de 10 libras comemorando Darwin

A sociedade brasileira precisa dizer NÃO a essa iniciativa, parte de uma agenda obscurantista que quer desesperadamente se estabelecer por aqui. Não nos deixemos enganar por pseudocientistas que não são referendados por nenhuma instituição científica ou universitária com peso acadêmico relevante. Os cientistas até hoje não propuseram uma alternativa melhor que a Teoria da Evolução. Sem dúvida ela pode ser aperfeiçoada, mas isso só ocorrerá a partir da observação de fatos e não a partir de crenças religiosas. Design inteligente NÃO é ciência.

Esse primeiro texto da minha vida sobre evolução, apesar de adeptos do intelligent design seguidamente me taxarem de evolucionista, é dedicado aos amigos e colegas do curso English as a Medium of Instruction que ocorreu em Oxford na primeira semana de novembro de 2014. Agradeço ao British Council por ter proporcionado essa iniciativa.

Upideite 17/11/2014: A recém criada Sociedade Brasileira do Design Inteligente rejeitou o ensino do assunto em aulas de ciência em um manifesto  público. No entanto manifesto contém palpites cientificamente desqualificados a respeito do ensino da Teoria da Evolução. Não deixo de lembrar uma frase ótima atribuída ao D. João VI: "Quando não sabemos o que fazer (dizer), o melhor é não fazer (dizer) nada".

Nenhum comentário:

Creative Commons License
Os direitos de reprodução de Cultura Científica são regulados por uma Licença Creative Commons.