domingo, 12 de outubro de 2008

Prefeitura astrológica

Uma notícia no mínimo curiosa chamou a atenção depois das eleições 2008 no Brasil: A influência dos astros na política. Em Recife, tanto o prefeito que sai João Paulo quanto o prefeito eleito no primeiro turno João da Costa são adeptos da astrologia e mantiveram até uma assessoria astrológica para consulta. O trabalho foi comandado pelo astrólogo Eduardo Maia, que há cinco anos e meio opina sobre a gestão do prefeito, no cargo desde 2001. Maia é astrólogo profissional, professor de Astrologia, fundador e diretor da Academia Castor & Pólux, pesquisador e conferencista nas áreas de astrologia, simbologia, mitologia, cinema, teatro, poesia e arte tradicional. A Academia Castor & Pólux, segundo o gabinete do prefeito de Recife, "é uma das mais antigas do país e trabalha na reconstituição da astrologia enquanto ciência, arte e conhecimento tradicional, partindo do estudo do simbolismo contido em várias áreas do saber humano."
Qualificar astrologia como ciência é no mínimo equivocado. Talvez alguns astrólogos a percebam assim, mas isso ocorre apenas porque essas pessoas não sabem o que é ciência. A confusão aumenta porque em astrologia se mistura pensamento positivo com conhecimento científico da astronomia observacional. Os astrônomos usam conhecimento científico para determinar com alguma precisão a posição dos astros. Quando Eduardo Maia afirmou, por exemplo, que Urânio entrou em Aquário, ele na verdade utilizou conhecimento científico para determinar a posição de Urânio no céu. Talvez ele não saiba, mas só é possível fazer esse cálculo porque muita gente observou muitos astros no céu e registrou suas posições durante séculos. Foi preciso entender as leis da gravitação para poder formular esses softwares que os astrólogos usam para determinar a posição dos astros a qualquer momento em qualquer lugar do planeta.
Astrologia não é ciência, é . Seus praticantes acreditam que a posição dos astros tem influência sobre o que acontece na nossa vida, sem nunca terem tido evidência alguma para isso ou proporem um mecanismo pelo qual isso ocorre. Quem nunca esteve numa conversa em que alguém pergunta seu signo? Ao responder segue-se inevitavelmente o comentário "Claro, óbvio, agora entendo você". Durante um tempo eu passei a dizer o signo que me passava pela cabeça ao acaso. Curiosamente o comentário era sempre "Claro, óbvio, agora entendo você". As supostas características de cada signo são suficientemente gerais para abraçar todo mundo. Tem mais sobre o assunto aqui.
João da Costa votou exatamente às 12:05h, momento determinado pelo astrólogo no qual uma conjunção astral lhe seria particularmente favorável. Chegou a pedir para que as pessoas na fila lhe deixassem passar. O candidato acreditou que votando às 12:05h sua chance de ser eleito seria maior. Ele efetivamente foi eleito no primeiro turno. Quem poderá convencê-lo que o efeito não se deve à causa que ele supõe, e que sua eleição é na verdade resultado de sua preferência popular e que ele poderia ter votado em qualquer momento do dia e o resultado seria o mesmo, independentemente dos humores de Urano?
Isso é o resultado de uma aplicação intuitiva e equivocada do método científico. Imaginemos que alguém levantasse a hipótese de que bananas são venenosas, porque alguém passou mal e morreu por alguma causa qualquer depois de comer bananas. Aí deixamos de comer bananas e continuamos vivos. "Confirmamos" nossa suspeita e passamos a acreditar que a hipótese da banana venenosa estava correta. Essa nossa conclusão, bananas são venenosas, não tem efeito importante algum. Sobrevivemos sem comer bananas, apesar de a vida perder um prazer imenso. Estabelecemos um falso positivo.
Para evitar cair nas ciladas dos falsos positivos é preciso entender o método científico. Verificar uma hipótese pode ser mais complicado do que imagina nossa vã filosofia. Infelizmente as pessoas em geral buscam validar suas crenças pela experiência cotidiana em lugar de desafiá-las.
Desejo sucesso à nova gestão de Recife, independentemente do que os astros lhe reservam...

7 comentários:

MethodicalMind disse...

Ótimo post. Mas não deveria ser planeta Urano? Acho que Urânio é o elemento.

Leandro R. Tessler disse...

É Urano mesmo. Devo ter estado sob influência radioativa enquanto escrevia...
Obrigado pela observação!

Anônimo disse...

Lendo o que escreveu posso concluir que como voce não provou que a astrologia não funciona sua hipótese é perfeita.
Só podemos opinar com propriedade sobre aquilo que experimentamos sem preconceito.

Anônimo disse...

Leandro, você deve ser um jovem muito legal mesmo... Mas ainda tem muito o que aprender da vida. Entenda uma coisa... Não é somente porque a ciência (que não sabe tudo e muito menos é dona da verdade absoluta) que diz isso ou aquilo é que o que ela diz tem que ser a verdade absoluta. Se fosse, a ciência teria chegado ao auge da evolução, concorda? Portanto, ela ainda tem muito o que aprender. E tudo o que se refere às "ENERGIAS SUTIS" ela ainda engatinha...
Abs.

Leandro R. Tessler disse...

Caro anônimo,
Obrigado pelo "jovem". Adorei.
A ciência não tem como objetivo saber tudo e muito menos ser dona da verdade absoluta, se é que isso existe. Nem chegar ao auge da evolução. A ciência é uma ferramenta que a humanidade inventou para tentar interpretar a natureza. Para isso ela tem um método que permite separar o que existe de verdade do que nós achamos que existe. Não há nenhuma evidência de verdade que indique que a posição dos astros de alguma forma influa nosso comportamento.
Quanto ao que você chama de "energias sutis", se elas existem e se manifestam de alguma forma nós poderemos estudá-las. Mas não basta crermos nelas, precisamos de alguma indicação detetável...
Abraço,
Leandro

Vitor Lee disse...

Prof. Leandro, por 10 anos venho estudando Astrologia. Muitas coisas que o senhor escreveu não condizem com o que a ela realmente é ou se baseia. De fato, os meios de comunicação de massa distorcem e simplificam o conhecimento astrológico, fazendo com que muitas pessoas (que acreditam ou não) tenham ideias erradas a seu respeito. Considero importante que as coisas sejam esclarecidas. Mas antes, infelizmente, gostaria de dizer que sou aluno de Mestrado no Departamento de Anatomia do Instituto de Ciências Biológicas da USP. Infelizmente por causa de dois grandes preconceitos: o de que os astrólogos são seres destituídos de capacidade racional, crítica e reflexiva - e que por isso eles são influenciáveis o suficiente para "acreditar" em qualquer "crendice" - e a de que estudar na USP o faz ser uma pessoa muito inteligente. Isso é para mostrar como nossos preconceitos nos impedem de termos uma visão mais objetiva do mundo; e a ciência CARTESIANA - a qual incluem as ciências naturais (Biologia, Física, Química, Astronomia, Geologia, etc) e a única ciência realmente exata do mundo, a Matemática - não é diferente. Não canso de ver cientistas dizendo coisas falsas sobre a Astrologia e a população aceitando-as indiscriminadamente. Para a maioria, os cientistas são autoridades em todo tipo de conhecimento, como se fossem donos de verdades absolutas, e nós dois sabemos que isso, ironicamente, não é verdade. Por isso, o cientista que trabalha com divulgação possui uma enorme responsabilidade ao fazer pronunciamentos. Ele deve saber do que está falando, pois uma informação falsa pode ser considerada verdadeira. E a Astrologia sofre com isso. Um exemplo: Carl Sagan, que eu respeito muito, falou muitos "equívocos" sobre a Astrologia num dos episódios de uma série que apresentou na televisão, Cosmos, que se tornaram os principais argumentos daqueles que querem atacar a Astrologia. Mas muitos não têm ideia das falácias que estão repetindo impensadamente. (continua)

Vitor Lee disse...

(continuação) Por isso coloquei alguns links sobre Astrologia para que possamos entendê-la de forma mais realista. E, já vou adiantando que: 1) Os signos, da forma como são mostrados pelos jornais, sites e revistas de fofocas, retratam uma simplificação grosseira do que é a Astrologia, juntamente com essas coisas esquisitas que inventaram de “inferno astral”, “compatibilidade”, “era de Aquário” e “fim do mundo”. Essas coisas vendem pra caramba, e as pessoas acabam acreditando nelas como patinhos; 2) Astrologia e Astronomia eram uma coisa só no passado e os cálculos astronômicos se desenvolveram principalmente em função da necessidade de se saber a posição dos astros para um determinado período, para serem feitas previsões astrológicas. Portanto, o cálculo da posição dos astros na esfera celeste em tal momento também faz parte do conteúdo Astrológico, isso não é uma propriedade exclusiva da Astronomia; 3) Não, isso não torna a Astrologia uma ciência CARTESIANA. Quando o astrólogo diz que a Astrologia é uma ciência, ele está usando o sentido mais amplo do termo, aquele sentido que engloba todos os conhecimentos sistematizados da humanidade, sejam as ciências naturais, exatas ou humanas, ou outras que existem; e 4) essa história de que os astros nos influenciam por meio de ENERGIAS SUTIS ou até mesmo por mecanismos astrofísicos... bem, os astrólogos não necessariamente acreditam nisso. Ouso dizer que a maioria não acredita mesmo. Qualquer um pode dar a explicação que quiser para qualquer coisa, mas isso não significa que essa seja a opinião geral ou consensual ou a informação oficial (e digo que não existe oficialidade em Astrologia ocidental, o que abre caminho para o surgimento de várias vertentes dentro dela). Cuidado!
Seguem os links:

http://www.aldeiaplanetaria.com.br/astro-sintese/Esclarec.htm

http://devir.wordpress.com/2010/03/06/seu-kit-de-defesa-contra-a-astrologia-malvada/

sobre a suposta mudança dos signos:
http://devir.wordpress.com/2011/01/22/a-guerra-nas-entrelinhas/

Abços!

Creative Commons License
Os direitos de reprodução de Cultura Científica são regulados por uma Licença Creative Commons.